Processo desenvolvido em cooperação

          Muito valorizado no contexto da gestão da ASSECAMPE, o processo APELL foi lançado em 1988 sob a liderança do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP, na sigla em inglês) que formulou as suas diretrizes a partir de ações em cooperação com a Associação das Indústrias Químicas dos Estados Unidos e o Conselho Europeu das Federações da Indústria Química. Desde então, essa iniciativa tem inspirado atividades colaborativas de planejamento com enfoque em prevenção de acidentes ao redor do mundo e preparado pessoas para o enfrentamento de eventuais situações de emergência. No Brasil, a Associação Brasileira da Indústria Química (ABIQUIM) foi incumbida de disseminá-la.

          A sigla APELL foi formada a partir das iniciais de cinco palavras em inglês que, em português, significam: Alerta e Preparação de Comunidades para Emergências Locais. 

Mobirise

          O processo foi idealizado a partir de um amplo debate internacional iniciado após a ocorrência de três grandes acidentes: Itália (1976), Índia (1984) e Ucrânia (1986). Nesse sentido, desde a sua criação, a iniciativa tem sido utilizada como base para a implantação de sistemas de preparação e resposta às situações de emergências em mais de 30 países. Todas as ações de gerenciamento de riscos são desenvolvidas em cooperação entre empresas, órgãos públicos e comunidades residentes no entorno das unidades industriais.

          Desde a sua criação, o processo APELL teve como objetivos centrais a conscientização da sociedade sobre potenciais riscos relacionados à fabricação, à utilização e ao manuseio de materiais perigosos, além da organização das medidas de proteção das comunidades locais tomadas pelos representantes dos órgãos públicos e das indústrias. Assim, de forma colaborativa e com base em um conjunto de informações sistematizadas, são desenvolvidos os planos de atendimento à segurança da coletividade em situações de emergência.        

ASSECAMPE

Como funciona o processo APELL de Campos Elíseos

          A Associação das Empresas de Campos Elíseos (ASSECAMPE) atua como coordenadora do Processo APELL desde outubro de 2001, quando a entidade representativa das indústrias locais foi criada. A seguir, saiba mais sobre como estão estruturadas e distribuídas as atribuições dos grupos apoiadores às tomadas de decisão no âmbito dessa iniciativa e observe como as ações são desenvolvidas em cooperação.

Estrutura Organizacional

Mobirise

 Grupo Coordenador (ASSECAMPE)

Formado por representantes das indústrias, cujas principais atribuições envolvem a tomada de decisão sobre diretrizes de atuação, a formação da Comissão Executiva e a aprovação do orçamento anual.

Plano de Auxílio Mútuo (PAM)

Formado pelos órgãos de segurança industrial das empresas e o Grupamento para Operações com Produtos Perigosos (GOPP) do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro.

Comissão Executiva

Composta por quatro integrantes titulares e seus respectivos suplentes que representam os grupos empresariais de petróleo, petroquímica, além de distribuidoras de derivados líquidos e de gás. Atua desde a coordenação dos programas motivacionais e dos simulados anuais até a elaboração de programas de treinamento para o Grupo de Apoio Externo. Suas atribuições também incluem ações de disseminação de informações sobre o processo junto às comunidades e aos órgãos públicos, bem como a prestação de contas dos recursos financeiros destinados às atividades anuais.

Grupo de Apoio Externo

É coordenado pelaDefesa Civil do Município de Duque de Caxias e conta com a participação de aproximadamente 2.000 voluntários. Atua na orientação e divulgação das ações destinadas às comunidades, como treinamentos e orientações de conduta segura, além de ficar responsável pelas comunicações sobre emergências.


Também fazem parte das atividades do Grupo os seguintes órgãos públicos

  • Guarda Municipal de Duque de Caxias - orientação do trânsito.
  • Hospital de Saracuruna - recebimento, transporte, tratamento e triagem dos feridos em situações reais e simuladas.
  • Hospital da Faculdade Unigranrio e Cruz Vermelha - apoio médico voluntário em situações reais e simuladas com primeiros socorros, triagem local e transporte dos feridos.
  • Grupamento para Operações com Produtos Perigosos do Corpo de Bombeiros (GOPP) - Pelo seu nível de especialização é reconhecido como referência no Brasil.
  • 60ª Delegacia Policial e 15º Batalhão da Polícia Militar - responsáveis pela segurança pública e patrimonial
  • Grupamento Aeromóvel – GAM - vinculado à Polícia Militar, é responsável pelo transporte aéreo e marítimo dos feridos em situações reais e simuladas.
  • Instituto Estadual do Ambiente - INEA.

Projetos Sociais

Projeto Defesa Civil Kids e Teen

          Esse projeto tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento da população juvenil de nossa cidade, proporcionando condições favoráveis que auxiliem na formação integral das crianças e de adolescentes.
​         Projeto é desenvolvido para atender crianças de 08 a 13 anos e iniciou em 2013 realizando treinamentos de Primeiros Socorros, Combate a Incêndio, Meio Ambiente, Segurança no Lar, Cidadania.
         As atividades são realizadas aos Sábados de 08:00 as 12:00 horas e já capacitou mais de 1.500 crianças das comunidades do município.

Coordenadoria de Juventude

          A Coordenadoria de Juventude realiza treinamentos para jovens de 14 a 17 anos, e tem como objetivo proporcionar ensinamentos teóricos e práticos na área de SMS e na área resgate, despertar nos jovens o reconhecimento de valores positivos associados à família, aos estudos escolares, ao trabalho profissional, à saúde física e mental.

Projeto Cuidador de Idosos e Projeto Maqueiro

          O projeto prevê desenvolver um programa de capacitação e aperfeiçoamento técnico e profissional visando melhorar a renda das famílias de baixa renda residentes nas das comunidades de Duque de Caxias.
          O curso possui carga horária de 140 horas e é realizado aos Sábados de 08:00 as 17:00 horas. Após a conclusão o aluno recebe certificado de conclusão podendo assim, ser inserido no mercado de trabalho

Biografia

Trajetória de implantação do processo APELL em Campos Elíseos

         Com base nas diretrizes do processo APELL, o Polo Industrial de Campos Elíseos começou a implantar o seu sistema de resposta às emergências externas, em 1991. A experiência foi inspirada na estrutura proposta para Cubatão (SP), que já havia lançado a iniciativa, em 1989. Assim foi criado um Grupo Coordenador e várias subcomissões técnicas.
          O Grupo Coordenador foi formado pela Superintendência da REDUC/Petrobras, reunindo, ainda, outros representantes da refinaria e de demais empresas do Polo. Desde o início, participaram da iniciativa membros de órgãos públicos municipais e estaduais, entre os quais, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (FEEMA) que, em 2009, foi sucedida pelo Instituto Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro (INEA). Também foram mobilizadas as associações de moradores de Campos Elíseos e Jardim Ideal.
          Mensalmente, o Grupo Coordenador se reunia para debater questões de interesse comum e tomar decisões. Foi assim que atendeu à demanda de ampliação da participação social no processo, ao incluir a Federação das Associações de Moradores de Duque de Caxias (MUB) como representante das comunidades no APELL. Dessa forma, se ampliou a área de abrangência das ações, indo além da região sujeita aos efeitos diretos de potenciais acidentes, até as localidades situadas fora do perímetro de risco imediato.
          Em 1992, o Grupo de Análise de Risco Tecnológico da COPPE/UFRJ foi contratado pela REDUC/Petrobras para prestar assessoria técnica ao processo APELL de Campos Elíseos. Essa equipe ficou responsável pelas atividades de articulação comunitária, por meio de visitas e reuniões periódicas com o MUB. Assim, a difusão do processo começou a ser ampliada entre os moradores da região e diversas atividades como identificação e registro dos problemas, discussão sobre os riscos de acidentes, entre outras, foram realizadas.

Interrupção e retomada das atividades


          Após um período de interrupção, o processo APELL de Campos Elíseos teve as suas atividades retomadas no final de 1995. Para isso, a equipe da COPPE e as representações comunitárias apresentaram uma proposta de ações e foi realizado um plano de trabalho. Assim, a nova fase contou com reuniões para esclarecer a interrupção e propor a continuidade do processo, encontros com professores das escolas locais, considerados multiplicadores de informação, além de eventos como cursos, seminários e treinamentos. Também foi formado um grupo de acompanhamento das novas atividades com cerca de 70 representantes de comunidades da região.

          Em 1997, considerou-se que o APELL de Campos Elíseos ganhou um novo impulso. Isso ocorreu em função de dois fatores: a proposta de constituição de uma figura jurídica que estivesse à frente das atividades e a retomada da Defesa Civil Municipal de Duque de Caxias, reintegrada ao processo.
          Em 1999, as empresas do Polo também firmaram um convênio com o Centro Industrial do Rio de Janeiro (CIRJ), órgão da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (FIRJAN), visando criar as condições para a retomada do Processo APELL.
          Mas somente em 2001 o processo APELL local realmente começou a avançar, com a criação da Associação das Empresas de Campos Elíseos (ASSECAMPE), que assumiu a responsabilidade de coordenação das suas atividades.
          Atualmente, nos diversos eventos onde o Processo APELL de Campos Elíseos é apresentado, incluindo em evento patrocinado pela ONU em SP realizado em 2014, vem sendo constantemente citado como o melhor do Brasil e um dos melhores do mundo.

Mapa APELL

Rotas de fuga e mapa do processo APELL

Mobirise
  • IT 1 – Comunidade Saraiva – Destino (Local de Triagem) no CIEP 208 Alceu Amoroso Lima – Seguir pela Rua Tupinambás de Castro (a partir da Escola E.E. Adelina de Castro); Rua Inhambupe (antiga Rua 73); Rua Minesota (antiga Rua 49); Rua Borges Carneiro (antiga Rua 18); Av. São Paulo (inicio do IT 7); Rua Vicente Celestino e Rua Professor Hélio Rangel (antiga Rua 23).
  • IT 2 – Comunidade de Campos Elíseos – Destino (Local de Triagem) Escola Estadual Hélio Rangel – Seguir pela Av. São Paulo; Av Vicente Celestino (antiga Rua 02); Rua Marquês de Baependi; e Rua Odessa (antiga Rua 05).
  • IT 3 – Comunidade Vila Serafim – Destino (Local de Triagem) CIEP 369 Jornalista Sandro Moreira -Seguir pela Rua Luiz de Camões: Praça da Estação de Campos Elíseos: Av. Marquês de Paranaguá; Av. Visconde de Itaúna: Av. Marques de Olinda; Av. das Palmeiras; Av. Emílio de Menezes.
  • IT 4- Comunidade Parque Império – Destino (Local de Triagem) CIEP 035 Marechal Henrique Teixeira Lott – Seguir pela Rua Marquês de Paranaguá; Av. Visconde de Taunay; Rua Leibritz.
  • IT 5 – Comunidade de Jardim Ana Clara – Destino (Local de Triagem) CIEP 228 Darcy Vargas – Seguir pela Rua Pres. Dutra; Rua Pres. Eisenhower; Rua Branca Dias; Rua Padre Bartolomeu Fagundes (antiga BM); Rua Ururai (antiga AM); Rua Aracuai (antiga BI); Av. Conde de Irajá (antiga Francisca Vieira Netto), Rua Cel. Carlos Mattos e Av. Porto S/N.
  • IT 6 – Comunidade Bom Retiro – Destino (Local de Triagem) CIEP 208 Alceu Amoroso Lima – Seguir pela Rua ltapecirica (antiga Rua Derby -Club); Rua Prof. Celestino (antiga Rua 02) e Rua Prof. Hélio Rangel (antiga Rua 21).
  • IT 7 – Comunidade Marilândia – Destino (Local de Triagem) CIEP 208 Alceu Amoroso Lima – Seguir pela Av. São Paulo; Rua Vicente Celestino e Rua Prof. Hélio Rangel (antiga Rua 23).
  • IT 8 - Comunidade Parque Moderno – Destino (Local de Triagem) Escola Estadual Hélio Rangel -Seguir pela Av. São Paulo; Av. Vicente Celestino (antiga Rua 02); Rua Marquês de Baependi e Rua Odessa (antiga Rua 05).
  • IT 9 – Comunidade Nosso Bar – Destino (Local de Triagem) CIEP 032 Cora Coralina – Seguir pela Av. Presidente Kennedy S/N. Km 112